A didática fascinante de Betty Edwards

Uma foto de Betty Edwards antiga que tirei da capa de um VHS/DVD desconhecido pra mim até então disponível na Amazon. Que tristemente não consegui em resolução maior.

Lá por maio de 2008, eu finalmente comecei a praticar desenho realista. Não me lembro exatamente como eu tive contato com o material dela (cheguei a citá-la no post sobre cores), mas posso afirmar com toda a certeza de que ela foi extremamente marcante e importante para meu aprendizado. Uma pequena descrição sobre ela está na orelha de um de seus livros, do qual transcrevo a seguir:

A dra. Betty Edwards é professora emérita de arte na Universidade do Estado da Califórnia, em Long Beach. Ela completou seu doutorado em arte, educação e psicologia da percepção na UCLA. A dra. Edwards já teve seu perfil publicado em periódicos como o Los Angeles Times, The Seattle Times, Reader’s Digest, Time, New York e Today. Faz regularmente palestras em universidades, escolas de arte e empresas como a Walt Disney Company e Apple camputer. Atualmente, vive em Santa Mônica, na Califórnia.

Aqui no Brasil nem todos os livros que ela escreveu foram publicados, sem falar que a maior parte deles são consideravelmente difíceis de achar, especialmente por um preço baixo. Ainda assim, o livro que eu considero o mais importante entre eles, Desenhando com o Lado Direito do Cérebro, é bem fácil de achar na Internet, tanto a edição mais antiga quanto a mais nova (recomendo que leia as duas, pois houve várias modificações no conteúdo). A seguir, uma pequena descrição dos livros (clique nas imagens para ampliar):

Desenhando com o Lado Direito do Cérebro (Drawing on the Right Side of the Brain). Lançado originalmente em 1979, recebeu algumas reedições e revisões. A mais recente é de 1999 (lançada em 2004 no Brasil). A grosso modo, o livro tem tudo o que você precisa para aperfeiçoar sua capacidade em não só desenhar pessoas realisticamente, como também qualquer coisa que se pode copiar por observação. Betty Edwards se baseia em estudos sobre os hemisférios do cérebro e conclui que quem não “sabe” desenhar, na verdade, está usando o hemisfério esquerdo, que é responsável por toda a parte lógica, racional e simbólica. Por causa disso, ela nega a necessidade de um talento ou dom natural para aprender a desenhar. Sua didática é simples e fácil de entender, através de exercícios elaborados para forçar o uso do hemisfério direito. Além disso, o resultado sai extremamente rápido. Na versão mais antiga do livro, por exemplo, os alunos de Edwards mudavam a forma de desenhar drasticamente cerca de dois meses depois que iniciaram o curso. Já na edição mais recente, o processo foi mais rápido ainda, através de um curso de cinco dias com oito horas de duração cada, citado no segundo capítulo.

Desenhando com o Artista Interior (Drawing on the Artist Within), publicado em 1987 (ou 86, varia dependendo da fonte). Vários dos exercícios do livro anterior estão presentes nesse, com a diferença de ser bem mais teórico e com foco no desenvolvimento do seu potencial criativo. No começo, ela se baseia na psicologia para definir e dividir cada etapa desse processo, sendo a ordem definitiva: Primeiro insight, Saturação, Incubação, O ahá! (ou estalo) e Verificação. O tempo de duração de cada etapa é bem variado. Outro ponto interessante abordado, é o significado das linhas dependendo da maneira que são desenhadas, com uma sensível semelhança entre os exercícios propostos aos alunos. A conclusão que Edward tira ao analisar desenhos que representavam problemas específicos de cada aluno num exercício é simplesmente sensacional. Basicamente é isso o que você verá na maior parte do livro, pois ainda me falta o final pra ler.

Exercícios para Desenhar com o Lado Direito do Cérebro (Drawing on the Right Side of the Brain Workbook), lançado em 1998 e com versões revisadas posteriormente, sendo a mais recente de 2002. Esse é pra quem quer pular as teorias e partir direto para os exercícios, incluindo alguns inéditos, que foram separados e organizados em cinco partes: A percepção das imagens, espaços, relações, luzes e sombras e gestalt. Dá pra fazê-los diretamente no livro, também.

Agora, o último livro lançado e ainda inédito no Brasil chama-se Color: Mastering the Art of Mixing Colors, de 2004. Infelizmente não tenho como dar grandes informações por estar em inglês, mas dando uma rápida olhada no livro, dá pra ver que o tema também foi bem detalhado. Reparei que tem uma parte falando justamente do que falei no post que citei antes: que uma mesma cor pode aparentar ser outra dependendo das cores que a rodeia.

Enfim, eu realmente recomendo que você dê uma lida em pelo menos um desses livros, mesmo se não ter tanta certeza de que poderá melhorar tanto com tão pouco, ou acreditar que a relação com o cérebro e capacidade artística esteja equivocada (o que é possível, devido ao ano dos livros). Já li relatos de algumas poucas pessoas afirmando que o método dela não funcionou, mas é difícil tirar alguma conclusão sem saber direito como o sujeito em questão aplicou os exercícios. Fora isso, a eficiência é grande. E um detalhe interessante: é possível adaptá-los para crianças, e a autora dedica um capítulo do primeiro livro para contar a experiência, muito interessante por sinal.

Anúncios

Um comentário sobre “A didática fascinante de Betty Edwards

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s